fbpx

Diabetes na gestação: tudo que você precisa saber

Diabetes na Gestação


Se você está grávida, pode estar se perguntando sobre a possibilidade de diabetes gestacional. E se você já foi diagnosticada com a doença, termos como “insulina”, “açúcar no sangue” e “dieta para diabetes na gestação” podem estar girando em sua cabeça. Muitas vezes é difícil saber por onde começar a lidar com essa condição para manter você e seu bebê saudáveis.

Neste artigo, vamos detalhar o que é o diabetes gestacional, quais são os tratamentos possíveis e como o aproveitamento da nutrição pode ajudar (nós até fornecemos algumas listas de alimentos para você começar). Antes de começarmos, aqui estão alguns aspectos importantes sobre o assunto:

  • Na maioria dos casos, o diabetes gestacional é temporário;
  • A condição pode ser tratada com mudanças de estilo de vida, como exercícios e nutrição;
  • Embora não exista uma “dieta para diabetes gestacional” específica, existem diretrizes nutricionais que podem ajudá-la.

Primeiras coisas primeiro: O que é diabetes gestacional?

O termo “diabetes gestacional” pode causar confusão porque outras formas de diabetes podem ser condições para toda a vida. Mas o diabetes na gestação geralmente é um tipo temporário de diabetes que se desenvolve durante a gravidez e se resolve por conta própria após o parto. Se você for diagnosticada com essa condição, saiba que está longe de estar sozinha: 18% de todas as grávidas nos Brasil são afetadas por diabetes gestacional.

Infelizmente, a comunidade médica ainda não entende o que faz com que algumas pessoas desenvolvam essa condição, mas sabemos que o diabetes gestacional é semelhante a outras formas de diabetes, pois afeta a capacidade do corpo de quebrar adequadamente a glicose, o açúcar que vem dos alimentos.

O diabetes na gestação geralmente ocorre quando o aumento dos hormônios relacionados à gravidez faz com que a insulina pare de funcionar corretamente. Como resultado, a glicose se acumula – eventualmente fazendo com que o nível de açúcar no sangue de uma pessoa suba para mais de 140 miligramas por decilitro (mg/dL).

Pode ser bastante chocante saber que você tem diabetes gestacional e é muito importante entender esse diagnóstico de maneira produtiva, encarando-o como uma oportunidade de ganhar controle sobre sua saúde e começar a fazer mudanças mais saudáveis ​​no estilo de vida que diminuirão o risco de diabetes e doenças cardíacas pelo resto da vida. 

Que impacto o diabetes na gestação pode ter sobre você e sua gravidez?

Se não for tratada, a diabetes gestacional pode afetar sua saúde e a saúde do feto de diferentes maneiras:

  • Pode fazer com que mais açúcar seja passado para o bebê.
  • Pode levar a bebês maiores.
  • Aumento das chances de precisar de uma cesariana.
  • Pode aumentar as chances de um parto vaginal complicado (distócia de ombro, que é uma emergência obstétrica).
  • Pode causar sangramento mais intenso após o parto.
  • Risco aumentado de parto prematuro.
  • Se nascidos prematuros, eles podem ter dificuldade em respirar e regular seus próprios níveis de açúcar após o nascimento.
  • Bebês serão mais propensos a desenvolver diabetes e ter uma porcentagem maior de gordura corporal à medida que envelhecem.

Geralmente, o diabetes gestacional não causa nenhum sintoma importante que será notado facilmente. Dito isto, algumas pessoas podem notar um leve aumento na sede e na frequência de micção.

Como as pessoas são diagnosticadas com diabetes gestacional?

Para garantir que o diabetes gestacional seja diagnosticado, os profissionais de saúde examinam todas as grávidas entre a 24ª e a 28ª semanas de gravidez. Se uma pessoa tiver um risco maior de diabetes gestacional, seu médico pode optar por testar a condição durante a primeira consulta pré-natal.

Triagem para diabetes na gestação: se você está sendo rastreada em sua primeira consulta pré-natal ou mais tarde na gravidez, embora as maneiras exatas pelas quais os profissionais de saúde examinam o diabetes gestacional possam variar, elas normalmente incluem:

Teste oral de tolerância à glicose: uma hora depois de beber uma solução cheia de xarope de glicose, seu nível de açúcar no sangue será medido por um exame de sangue. Se o seu nível for superior a 140 miligramas por decilitro (mg/dL) (alguns médicos usam 130 mg/dL), você precisará passar por testes adicionais antes de ser diagnosticado com possível diabetes gestacional. Este é um nível mais baixo do que o limite de diagnóstico para garantir que qualquer pessoa com níveis elevados de açúcar no sangue seja avaliada.

Teste de tolerância à glicose de acompanhamento: o nível de glicose na solução será aumentado e seu açúcar no sangue será medido a cada hora durante três horas. Duas ou mais leituras “anormais” (usando os critérios abaixo) indicam diabetes gestacional.

Critérios de diagnóstico para diabetes gestacional: dependendo dos critérios de diagnóstico que seu médico usa, esses níveis de açúcar no sangue podem justificar um diagnóstico de diabetes gestacional:

  • Após jejum: 95 mg/dL;
  • Após uma hora: 180 mg/dL;
  • Após duas horas: 155 mg/dL;
  • Após três horas: 140 mg/dL.

Fatores de risco para o diabetes gestacional

Existem alguns fatores que podem aumentar a probabilidade de uma pessoa desenvolver diabetes gestacional:

  • Porcentagem maior de gordura corporal;
  • Diagnóstico de síndrome dos ovários policísticos (SOP) (que pode levar à resistência à insulina);
  • Se você já teve diabetes gestacional no passado;
  • Se você não se exercita regularmente;
  • Se você tem um histórico familiar conhecido de diabetes.

Você pode prevenir o diabetes na gestação?

Não há como prevenir completamente o diabetes na gestação, mas algumas modificações no estilo de vida são recomendadas para reduzir a probabilidade de adquirir a doença, incluindo:

Alimentação equilibrada: além da perda de peso antes da gravidez (que nem sempre é uma tarefa fácil ou mesmo possível) como forma de promover uma gravidez saudável em geral, enfatizamos a importância realizar mudanças duradouras em seus hábitos alimentares. Isso significa comer uma variedade de alimentos, incluindo aqueles ricos em fibras, frutas, legumes e grãos integrais.

Exercício regular: manter-se ativa antes e durante a gravidez (cerca de 30 minutos de exercício moderado por dia) pode reduzir o risco de diabetes gestacional.

Monitorando o ganho de peso durante a gravidez: quando você está gestando outro ser humano, o ganho de peso é esperado – mas você pode falar com seu médico sobre a quantidade de ganho de peso esperada para você.

O diabetes gestacional também pode ter um componente genético, o que significa que é provável que os fatores modificáveis ​​sejam apenas uma peça do quebra-cabeça.

Quais são as opções de tratamento para diabetes na gestação?

Se você foi diagnosticada com diabetes gestacional, o primeiro passo no tratamento é verificar se as mudanças nutricionais serão suficientes para controlar os níveis de açúcar no sangue.

Para tanto será necessário verificar os valores de glicose no sangue todas as manhãs em jejum e depois três vezes ao dia, uma hora após cada refeição principal. Você deve ver efeitos imediatos em seu açúcar no sangue – ou seja, se você comer um almoço com alto teor de proteínas e baixo teor de carboidratos, seu valor de glicose no sangue pós-prandial uma hora depois deve estar dentro dos parâmetros considerados normais. Se não estiver e a tendência continuar por vários dias, você provavelmente precisará de insulina.

Saiba que 77% das pessoas diagnosticadas com diabetes gestacional conseguem controlá-la apenas por meio de modificações no estilo de vida.

Exercício: As pessoas com diabetes gestacional são encorajadas a fazer um mínimo de 150 minutos de atividade física de intensidade moderada por semana, semelhante aos treinos padrão para controle de diabetes não gestacional e saúde geral. Mesmo uma simples caminhada de 15 minutos após as refeições ajuda a controlar os níveis de açúcar no sangue.

Medicação: Se o exercício e as modificações nutricionais não conseguirem controlar seus níveis de açúcar no sangue, um médico pode recomendar medicamentos (embora não haja um limite exato para quando a medicação deve ser prescrita). Os seguintes medicamentos podem ser receitados como tratamento para diabetes gestacional:

  • Insulina: a insulina é a recomendação atual para o manejo farmacológico do diabetes gestacional porque não atravessa a placenta (tornando-a segura durante a gravidez).
  • Metformina: pode ser receitada ​​como alternativa quando a insulina é muito cara ou as injeções de insulina provam ser um desafio.

Existe uma “lista de alimentos seguros” para pessoas com diabetes gestacional?

Cada corpo em processo de gestação funciona de maneira um pouco diferente, então não existe um plano alimentar exato que seja considerado a melhor maneira de controlar o diabetes na gestação. Com a ajuda de um nutricionista você pode encontrar o plano de refeições certo para você. Continue lendo para obter uma lista de orientações nutricionais e alimentos que seu médico pode recomendar durante a gravidez.

Alimentos para incluir no cardápio

1. Legumes: vegetais sem amido são recheados com vitaminas e nutrientes, mas não têm muitos carboidratos. Isso significa que você pode obter muitos nutrientes de vegetais sem aumentar drasticamente o açúcar no sangue. Aqui estão alguns exemplos de vegetais sem amido:

  • Cogumelos;
  • Cenouras;
  • Brócolis;
  • Salada de verduras;

2. Proteína magra: para consumidoras de carne, seu médico pode recomendar especificamente carnes magras porque elas não têm tanta gordura saturada (o que pode afetar a saúde do coração ao longo do tempo). Se você é vegetariana, eles podem aconselhá-la a ficar atenta às proteínas à base de plantas com uma quantidade abundante “oculta” de carboidratos (como feijão). Aqui estão alguns exemplos de opções de proteína magra:

  • Queijo tipo cottage;
  • Nozes;
  • Edamame;
  • Peru.

3. Carboidratos complexos: sim, os carboidratos são bons para comer – mas seu médico provavelmente irá sugerir que você fique de olho em suas porções e escolha-as com cuidado. O truque é procurar carboidratos complexos, que são alimentos integrais e ricos em fibras. Aqui estão alguns exemplos de carboidratos complexos:

  • Grãos integrais (como arroz integral, pães integrais, etc);
  • Leguminosas (como feijão, grão-de-bico e lentilhas)
  • Vegetais ricos em amido (como batata-doce, milho e banana-da-terra)

4. Gorduras monoinsaturadas ou poli-insaturadas: seu médico pode lhe dizer para escolher essas gorduras em vez de gorduras saturadas ou trans. Aqui estão alguns exemplos de alimentos com gorduras monoinsaturadas ou poli-insaturadas:

  • Azeite ou óleo de canola;
  • Abacates;
  • Ovos;
  • Manteiga de amendoim.

Alimentos para ficar de olho

1. Açúcar: você não precisa virar as costas para todos os doces, mas seu médico pode lhe dizer para ficar atenta a quantas bebidas açucaradas, alimentos ou itens com adição de açúcar você está consumindo – e tente o seu melhor para retroceder onde puder.

2. Carboidratos simples: enquanto os carboidratos complexos fornecem fibras, os carboidratos simples (pense em pão branco, arroz branco e até mesmo leite!) não são tão nutritivos. Como resultado, seu corpo processa rapidamente esses alimentos em glicose, o que aumentará seu nível de açúcar no sangue. Seu médico provavelmente sugerirá que você opte pelo complexo em vez do simples.

3. Frutas: as frutas são um grupo de alimentos complicado porque muitas vezes pensamos nelas como saudáveis, o que elas são, mas também são ricas em carboidratos. Se o seu médico sugerir uma certa quantidade de carboidratos por dia, saiba que comer frutas ou beber seu suco pode fazer você atingir esse máximo rapidamente.

Recomendações adicionais:

Aqui você encontra uma lista rápida de alimentos que você pode colocar em seu carrinho no supermercado para ajudar no controle da doença:

  • Leite sem lactose com níveis reduzidos de açúcar;
  • Barras de iogurte grego congeladas;
  • Barras de proteína;
  • Cereais sem açúcar.

O diabetes na gestação é reversível após a gravidez?

Sim! Após o parto, em muitos casos, os organismos poderão naturalmente começar a regular seus níveis de glicose no sangue novamente. Entre 6 e 12 semanas após o parto, seu médico reexaminará seus níveis de açúcar no sangue e, se os níveis forem “normais”, isso significa que você não tem mais diabetes gestacional. Você precisará, no entanto, passar por uma avaliação de risco de diabetes a cada três anos para garantir que seus níveis de açúcar no sangue continuem “normais”.

Conclusão

A orientação médica geral recomenda que abordar conscientemente a nutrição e o exercício pode ser um fator importante no controle do açúcar no sangue e no controle do diabetes gestacional. E, em casos mais graves, há sempre a opção de medicação.

Em outras palavras, quando se trata de lidar com o diabetes gestacional, você tem opções que ajudarão a manter você e seu bebê seguros. Lembre-se que a Clínica FGO estará sempre ao seu lado para informá-la e oferecer apoio.

Você pode se interessar:

Compartilhe:

WhatsApp
Email
Facebook
LinkedIn
Twitter