Rastreamento de aneuploidias fetais no segundo trimestre

No momento da realização dos testes de rastreamento do segundo trimestre da gestação, é fundamental levar em consideração os resultados dos exames de rastreamento anteriormente realizados. Isto é, o risco final corrigido em função da medida da translucência nucal fetal e das dosagens bioquímicas maternas, realizadas no primeiro trimestre da gestação, passa a ser considerado o risco inicial para os testes de rastreamento do segundo trimestre.

Outro aspecto fundamental a ser destacado, é que, com a identificação de significativa parcela das gestações com fetos trissômicos nos exames de rastreamento do primeiro trimestre, os testes de rastreamento, que são aplicados subsequentemente no segundo trimestre, passam a apresentar valores preditivos muito inferiores, devido à significativa redução na prevalência da anormalidade fetal na população.

Marcadores ultra-sonográficos

Marcadores bioquímicos maternos

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp

Você pode se interessar:

Tratamentos que oferecemos

Você enfrenta dificuldades para engravidar, algum problema ginecológico ou precisa de acompanhamento obstétrico? Nós estamos aqui para te ajudar! Conheça mais sobre os tratamentos oferecidos

traumas sexuais afetam a fertilidade

Como traumas sexuais afetam a fertilidade

Este conteúdo fala sobre como traumas sexuais afetam a fertilidade. Aviso de conteúdo sensível: este artigo contém tópicos delicados relacionados à violência sexual e traumas.