Quais os fatores de risco para gestação ectópica pós-FIV?

Os fatores de risco que levam ao desenvolvimento de gestação ectópica pós-FIV são controversos. A presença de doença tubária parece ser o principal fator de risco.

Pensava-se que as técnicas de transferência de embriões poderiam ter influência. Alguns autores relataram aumento nas taxas de gestação ectópica pós-FIV no que diz respeito ao tipo de cateter usado, posição da paciente e volume de líquido injetado junto com os embriões durante o procedimento de transferência. Outros autores não mostraram alteração significativa nos índices de gestação ectópica relacionada a esses fatores.

Duboisson e cols. reportaram que a taxa de gestação ectópica foi significativamente mais alta quando a indicação de FIV foi por fator tubário (11%) em comparação com a indicação de FIV por endometriose leve (2,1%) ou infertilidade sem causa aparente (3,4%). Resultados similares foram encontrados por Zouves e cols. Portanto, a maioria dos estudos são concordantes em que o principal fator de risco associado é também a presença de doença tubária.

Presume-se que durante o procedimento de transferência de embriões alguns dos pré-embriões sejam levados para dentro da tuba. Em tubas normais os pré-embriões retornam para cavidade uterina, simulando a caminhada fisiológica e natural do ovo fertilizado. Este transporte pode ser interrompido quando a tuba é disfuncional e está alterada por doenças, favorecendo a implantação ectópica.

Karande e Muasher (1991) concluíram que pacientes com história anterior de gravidez ectópica, tem maior chance de desenvolver nova gestação desse tipo. Zouves e cols. mostraram que mulheres com cirurgia reconstrutiva tubária anterior têm uma chance maior de desenvolver gestação ectópica pós-FIV.

A transferência de um número maior de embriões também é relatada como fator de risco para desenvolver gravidez heterotópica.

Trabalhos mais recentes mostram não haver relação entre o aparecimento de gestação ectópica pós-FIV e fatores como abortamento anterior, qualidade dos embriões transferidos, número de oócitos aspirados e o tipo de estimulação ovariana.

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp

Você pode se interessar:

Tratamentos que oferecemos

Você enfrenta dificuldades para engravidar, algum problema ginecológico ou precisa de acompanhamento obstétrico? Nós estamos aqui para te ajudar! Conheça mais sobre os tratamentos oferecidos

traumas sexuais afetam a fertilidade

Como traumas sexuais afetam a fertilidade

Este conteúdo fala sobre como traumas sexuais afetam a fertilidade. Aviso de conteúdo sensível: este artigo contém tópicos delicados relacionados à violência sexual e traumas.