FIV gravidez vacina Covid-19

FIV gravidez vacina Covid-19 – Uma Visão a favor da vacinação – Mulheres em tratamento de fertilização in vitro ou que estão no primeiro trimestre de gravidez devem ser vacinadas imediatamente contra COVID-19

FIV gravidez vacina Covid-19 – A pandemia do coronavírus 2019 (COVID-19) e a síndrome respiratória aguda grave por coronavírus 2 (SARS-CoV-2) está longe de terminar e, apesar do rápido surgimento de vacinas eficazes, não mostra indicação de chegar a um término rápido. Em 26 de maio de 2021, os casos COVID-19 documentados excediam 33 milhões nos Estados Unidos (EUA) e mais de 168 milhões em todo o mundo. Além disso, as mortes atribuídas ao COVID-19 ultrapassaram 590.000 nos EUA e se aproximavam de 3,5 milhões em todo o mundo.

https://coronavirus.jhu.edu/.

FIV gravidez vacina Covid-19 – Gravidez é fator de risco para Covid-19

Nos EUA, estima-se que as mulheres grávidas representem cerca de 1% da população geral, enquanto quase 8% das mulheres em idade reprodutiva estão grávidas, procurando engravidar ou até 6 semanas após o parto em um determinado momento. Embora o risco geral de COVID-19 grave entre mulheres grávidas seja relativamente baixo para uma paciente individual, aquelas que são infectadas e desenvolvem sintomas têm maior risco de doença mais grave em comparação com suas contrapartes não grávidas. Mulheres grávidas sintomáticas com COVID-19 demonstram um risco aumentado da taxa de admissão em uma unidades de terapia intensiva, necessidade de ventilação mecânica e morte em comparação com as não grávidas sintomáticas.

A infecção no início da gravidez pode aumentar o risco de resultados fetais adversos. Além disso, uma recente revisão sistemática e meta-análise de 42 estudos envolvendo 438.548 gestações concluiu que a infecção por SARS-CoV-2 pode estar associada a um risco aumentado de pré-eclâmpsia, parto prematuro e natimorto.

Assim, o Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos EUA considera a gravidez um fator de risco com uma chance maior de doença grave relacionada ao COVID-19 (10). Portanto, a prevenção dessa doença na gravidez, em grande parte por meio da vacinação ativa contra SARS-CoV-2 e, especificamente, a vacinação precoce no período periconcepcional ou no primeiro trimestre, é de suma importância para reduzir potencialmente a morbidade e a mortalidade materna e fetal relacionadas ao COVID-19.

FIV gravidez vacina Covid-19 – Tipos de vacinas que são indicadas

Em geral, as vacinas de vírus atenuados não vivos são amplamente utilizadas e recomendadas na gravidez. A imunização materna por meio da vacinação pré-natal melhorou a saúde materna e neonatal em relação a inúmeras condições infecciosas. Embora a vantagem da vacinação durante a gravidez às vezes se concentre no potencial benefício fetal e infantil por meio da imunização passiva, o impacto da prevenção de doenças infecciosas maternas graves não deve ser minimizado.

Isso é especialmente importante para a prevenção de doenças respiratórias, incluindo influenza e COVID-19, em que mulheres grávidas correm maior risco de resultados adversos. Além das vacinas de vírus vivos atenuados, que são relativamente contraindicadas na gravidez, quase todas as vacinas são permitidas na gravidez (se não forem ativamente recomendadas, como influenza, por exemplo) quando se acredita que os benefícios superam os riscos.

As vacinas atuais desenvolvidas demonstraram ter um potencial significativo para a prevenção de infecções graves relacionadas ao SARS-CoV-2 na população em geral, e sem dúvida, proporcionarão benefícios substanciais às gestantes. Esta é a principal razão pela qual as principais sociedades profissionais em saúde reprodutiva e feminina recomendam que a vacina não deve ser negada a esta população.

FIV gravidez vacina Covid-19 – Tipos de vacinas que são utilizadas

Em maio de 2021, há três vacinas desenvolvidas para a prevenção do COVID-19 que receberam autorizações de uso emergencial pela Food and Drug Administration dos Estados Unidos (FDA – EUA). Estas incluem as vacinas de ácido ribonucleico mensageiro (mRNA) da Pfizer-BioNTech e Moderna, cada uma requer duas doses com 21 e 28 dias de intervalo, respectivamente, junto com a vacina de vetor de adenovírus de dose única da Janssen BioTech Inc. (Johnson & Johnson). Todas demonstraram alta eficácia em relação aos desfechos de seus ensaios clínicos.

Em indivíduos sem evidência anterior de infecção por SARS-CoV-2, as vacinas de mRNA parecem ser 94% -95% eficazes na prevenção da doença COVID-19 confirmada em laboratório, ou seja, aqueles que receberam duas doses dessas vacinas tiveram um risco 94% -95% menor de contrair COVID-19 em comparação com um grupo de controle não vacinado.

Da mesma forma, a vacina de vetor de adenovírus demonstrou eficácia de 66% para a prevenção de todos os níveis da doença e eficácia de 85% contra doença grave globalmente. Essas vacinas não contêm vírus vivo; portanto, não há risco real nem teórico de infecção relacionado à vacina em si. Nesse sentido, a American Society of Reproductive Medicine (ASRM) Coronavirus / COVID Task Force afirma que “uma vez que a vacina não é um vírus vivo, não há razão para atrasar as tentativas de gravidez por causa da administração da vacinação ou para adiar tratamento [fertilidade] até que a segunda dose seja administrada”.

FIV gravidez vacina Covid-19 – Toxicidade das vacinas e ferramentas de controle dos efeitos da vacinação

Os dados dos estudos de desenvolvimento e toxicidade reprodutiva (DART) sobre o uso das vacinas aprovadas são muito encorajadores. Os estudos em animais não demonstraram aumento dos efeitos reprodutivos adversos, impactando a fertilidade feminina ou o desenvolvimento embrionário / fetal / pós-natal, quando essas vacinas foram administradas antes do acasalamento ou durante o início ou final da gestação. O conceito teórico que surgiu de fontes obscuras sobre as vacinas contra COVID-19 estarem relacionadas à infertilidade é totalmente infundado e, portanto, foi desacreditado pelas sociedades líderes em saúde reprodutiva.

É reconhecido que existem dados de segurança relativamente limitados em relação ao uso de vacinas COVID-19 na gravidez humana, porque as vacinas atualmente disponíveis sob os EUA ainda não foram testadas diretamente em mulheres grávidas. No entanto, os ensaios de vacinas já começaram nesta população. Além disso, os dados de segurança em andamento que estão sendo coletados e relatados pelo CDC e FDA (ou seja, por meio do sistema de Notificação de Eventos Adversos de Vacinas [VAERS]) não demonstraram quaisquer sinais adversos de segurança em relação aos resultados da gravidez ou perfis de efeitos colaterais.

Especificamente, o CDC estabeleceu a v-safe, uma ferramenta de monitoramento de segurança ativa e vigilância baseada em smartphone para o acompanhamento pós-vacina. Os participantes podem indicar o estado da gravidez e inscrever-se no registro da vacina v-safe COVID-19, que fornece informações contínuas sobre o uso da vacina no período periconcepcional e pessoas que estão grávidas. Os resultados de interesse da gravidez e neonatais incluem aborto espontâneo, natimorto e complicações na gravidez, como pré-eclâmpsia, restrição de crescimento, parto prematuro, anomalias congênitas e morte neonatal.

Em 24 de maio de 2021, quase 120.000 participantes do v-safe indicaram que estavam grávidas no momento em que receberam a vacinação COVID-19 e mais de 5.000 estão inscritos no registro da vacina COVID-19 v-safe. Até o momento, não houve nenhuma preocupação de segurança observada para as grávidas inscritas no v-safe. Além disso, os dados iniciais coletados de mais de 1.200 gestações concluídas no registro de gravidez v-safe não indicaram quaisquer preocupações de segurança em relação à gravidez e resultados neonatais após a vacinação de COVID-19 com vacinas de mRNA(comunicação pessoal do CDC).

FIV gravidez vacina Covid-19 – Monitoramento dos efeitos adversos das vacinas e segurança para as técnicas de reprodução assistida

Para monitoramento adicional da segurança da vacina, o CDC e o FDA cogerenciam o VAERS, um sistema de alerta precoce para identificar possíveis preocupações de segurança após a vacinação, incluindo a detecção de efeitos adversos raros. Limitado por viés de notificação, o VAERS não foi projetado para avaliar a causalidade nem existe um grupo de controle não vacinado.

Dos eventos adversos em mulheres grávidas após receberem uma vacina de mRNA COVID-19 que foram notificados ao VAERS até 28 de fevereiro de 2021, a maioria (70%) envolveu eventos adversos não específicos da gravidez (reações locais e sistêmicas). Embora o aborto espontâneo tenha sido o evento adverso específico da gravidez relatado com mais frequência, a taxa observada entre as mulheres que receberam uma das vacinas de mRNA COVID-19 foi de 12,6% (104/827 gestações completas), caindo bem dentro das taxas de aborto espontâneas publicadas e esperadas (ACOG practice bulletin no. 200: early pregnancy loss).

Apesar dos dados relativamente limitados das vacinas COVID-19 em mulheres grávidas, não há dados que sugiram que as vacinas devam ser contraindicadas nesta população ou em indivíduos que planejam engravidar. Observa-se, entretanto, que a vacina de vetor de adenovírus COVID-19 da Janssen foi recentemente associada a trombose com síndrome de trombocitopenia (STT), uma condição rara, mas grave, da qual a maioria dos casos ocorreu em mulheres não grávidas em idade reprodutiva.

Uma revisão completa desses casos pelo Comitê Consultivo em Práticas de Imunização foi realizada, após a qual as recomendações para o uso da vacina Janssen COVID-19 foram reafirmadas. Mulheres em idade reprodutiva e aquelas que estão grávidas podem receber qualquer vacina COVID-19 autorizada pela FDA disponível com aconselhamento apropriado sobre a raridade e risco de TTS após o recebimento da vacina Janssen COVID-19 (aproximadamente sete em cada milhão de doses para mulheres 18-49 anos), e deve estar ciente de outras vacinas COVID-19 disponíveis.

Em geral, as vacinas disponíveis contra COVID-19 parecem ser relativamente seguras e altamente eficazes na prevenção de doenças graves, e não há evidências até o momento de que a vacinação COVID-19 na periconcepção ou período pré-natal esteja associada com aumento de resultados adversos reprodutivo, da gravidez ou do período neonatal em comparação com as taxas de base.

Nesse sentido, recomenda-se que as pacientes em tratamento de fertilidade recebam vacinação quando elegíveis, seja no período periconcepcional ou no início da gravidez, enquanto aderem às orientações estabelecidas pela Força-Tarefa ASRM Coronavirus / COVID-19 para evitar a vacinação em três dias antes ou depois de um procedimento cirúrgico eletivo ou relacionado à fertilidade, como retirada de oócitos, transferência de embriões ou inseminação intrauterina (ASRM patient management and clinical recommendations during the coronavirus (COVID-19) pandemic: upate no. 13—variants, vaccines, and vaccination February 22, 2021).

FIV gravidez vacinas Covid-19 – Conclusões

Esta diretriz sobre as considerações de tempo é importante porque os efeitos colaterais comuns conhecidos das vacinas (febre, calafrios, mialgia, fadiga, etc.) podem confundir uma possível avaliação perioperatória para complicações, e muitas instituições hospitalares podem não permitir que os pacientes entrem ou prossigam com os procedimentos se tiverem sintomas semelhantes aos da COVID-19, que podem ser semelhantes aos efeitos colaterais das vacinas.

A decisão de receber a vacina durante o tratamento de fertilização in vitro (FIV) ou no início da gravidez não deve ser ponderada apenas contra o risco teórico e “desconhecido” da própria vacina, mas mais ainda no contexto do real aumento do risco de resultados de efeitos adversos associados à doença COVID-19 grave durante a gravidez e a capacidade conhecida das vacinas para prevenir a doença. Qualquer atraso em tomar a vacina facilitaria as mulheres grávidas a incorrerem nos riscos de contrair e experimentar doenças graves e resultados adversos relacionados à infecção por COVID-19, incluindo morte materna e fetal.

O adiamento da vacinação durante o tratamento de fertilidade pode levar a um período desconhecido de atraso, pois os tratamentos de fertilidade e FIV podem não ser bem-sucedidos na primeira tentativa e o que pode exigir outras tentativas para conseguir uma gravidez evolutiva. O sucesso do tratamento depende de inúmeras variáveis e, apesar das melhores tentativas da equipe clínica, nem sempre pode ser previsto.

Das pacientes que concebem uma gravidez bem-sucedida, o tempo até a gravidez após o início do tratamento de fertilidade pode variar de 8 a 12 meses. Portanto, dada a incerteza em torno do sucesso do tratamento, é razoável recomendar a vacinação uma vez que os critérios de elegibilidade sejam atendidos e “no momento o mais rápido possível, seja preconcepção ou durante a gravidez”, conforme apoiado pela ASRM.

Além disso, é provável que haja alguma flexibilidade em relação ao agendamento da vacina se um paciente estiver em um ciclo de tratamento ativo, para evitar a janela de 6 dias em torno de um possível procedimento, ou pode haver o luxo de agendar o início de um ciclo de tratamento de fertilidade em torno da primeira e, se necessário, da segunda dose da vacina. Além disso, ao contrário de outras vacinas, as vacinas contra SARS-CoV-2 ainda são um recurso relativamente escasso e podem nem sempre estar prontamente disponíveis para populações específicas em um determinado momento. Optar por adiar a vacinação pode significar que ela não estará prontamente disponível no futuro.

Febre, um efeito colateral comum de qualquer vacina, é relatada em até 9% – 16% dos indivíduos após a dose única da vacina Janssen ou dose final de ambas as vacinas de mRNA, respectivamente. A febre pode ser uma preocupação no início da gravidez por causa de uma associação observada com anomalias congênitas, especialmente defeitos do tubo neural, mas essa associação não foi observada em um grande estudo de coorte recente.

Além disso, é difícil construir uma relação causal por causa dos tipos de desenhos de estudos retrospectivos, viés de relato, inconsistência do grau / duração relatada da febre e o fato de que a febre é normalmente causada por uma resposta a uma infecção subjacente e, portanto, quaisquer associações com as anomalias congênitas precisariam distinguir os efeitos da própria febre daqueles relacionados a uma infecção subjacente.

Além disso, qualquer associação entre hipertermia e anomalias congênitas parece ser atenuada no contexto de ingestão adequada de ácido fólico e uso de paracetamol como agente único. As febres observadas após a vacinação para COVID-19 são de curta duração, e o uso de paracetamol para alívio é recomendado sem qualquer risco percebido, conselho que a maioria das mulheres grávidas seguirá.

Em conclusão, a contração do SARS-CoV-2 durante a gravidez pode ter consequências maternas e fetais devastadoras. Além disso, dados emergentes sugerem que a vacinação pode levar à transmissão materna de anticorpos para o feto, proporcionando proteção potencial contra a infecção infantil.

Os dados de segurança atuais relativos às vacinas contra COVID-19 são tranquilizadores e não indicam preocupações de segurança para pacientes que estão planejando ou estão no primeiro trimestre de uma gestação, ao mesmo tempo que demonstram alta eficácia na população em geral. Para as pacientes em tratamento de fertilização in vitro ou no início da gravidez, é do seu interesse considerar fortemente a vacinação uma vez elegível, e mais cedo ou mais tarde, pois podem incorrer no risco de doença grave relacionada com COVID-19 e morbidade e mortalidade associadas quanto mais tempo elas esperarem.

https://www.fertstert.org/article/S0015-0282(21)00436-2/fulltext

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email

Você pode se interessar:

Dores Perna Endometriose

Dor nas pernas relacionada à endometriose

A dor nas pernas pode variar em sua localização e intensidade. Algumas pacientes podem relatar que a dor é crônica e persistente ou causa uma dor generalizada, enquanto outras podem ter uma dor aguda e penetrante que pode ser localizada em um ponto específico. 

Vacina Covid19 fertilidade gravidez

Vacina Covid19 fertilidade gravidez

Vacina Covid-19 fertilidade gravidez – Uma recomendação universal para a vacinação COVID-19 em mulheres em tratamento de fertilização in vitro ou que estão grávidas não

FIV gravidez vacina Covid-19

FIV gravidez vacina Covid-19

FIV gravidez vacina Covid-19 – Uma Visão a favor da vacinação – Mulheres em tratamento de fertilização in vitro ou que estão no primeiro trimestre

preservar-a-fertilidade

Preservar a fertilidade

Preservar a fertilidade de forma eletiva para o declínio de fertilidade relacionado à idade é uma evolução e uma realidade Preservar a fertilidade de forma

endometriose e congelamento de óvulos

Endometriose e congelamento de óvulos

Endometriose e congelamento de óvulos – vitrificação de oócitos e preservação da fertilidade por razões médicas diferentes do câncer Endometriose e congelamento de óvulos –