Explicando 5 Mitos Sobre a Fertilidade

Explicando 5 Mitos Sobre a Fertilidade

Neste artigo nós iremos explicar 5 mitos sobre a fertilidade. Vale a leitura.

Sejamos realistas: a desinformação sobre fertilidade está em toda parte. Mesmo que você acredite dominar o tópico “saúde reprodutiva”, provavelmente ainda há uma ou duas crenças em seu arsenal que, ao que parece, não são exatamente corretas.

A fim de ajudá-la a obter as informações corretas sobre engravidar para que você possa assumir o controle de seu caminho para a maternidade, separamos 5 mitos sobre a fertilidade para serem pulverizados pela nossa equipe. 

Os Mitos Sobre a Fertilidade

Mito da fertilidade nº 1: menstruar todo mês significa boa fertilidade.

A verdade: infelizmente, não é bem assim. Menstruar com regularidade todos os meses, por dois ou três dias, é uma ótima indicação de que você está ovulando mensalmente. Mas, embora a ovulação seja necessária para a concepção, existem muitos outros fatores envolvidos na gravidez (como a infertilidade do “fator masculino”, anormalidades uterinas ou bloqueios nas trompas de Falópio).

Além disso, só porque você experimenta sangramento vaginal não significa que você definitivamente ovula. Os ciclos podem ser anovulatórios, o que significa que a ovulação não ocorre mesmo quando há sangramento vaginal. Isso pode acontecer se você:

  • Está tomando contraceptivos orais (o sangramento pode ser “sangramento de privação” durante a semana do placebo);
  • Ter um revestimento uterino muito espesso (um sintoma comum da síndrome dos ovários policísticos ou SOP);
  • Tem pólipos, miomas ou lesões cervicais;
  • Encontra-se nos estágios iniciais da gravidez, chamado sangramento de implantação.

Mito da fertilidade nº 2: anticoncepcionais prejudicam sua capacidade de conceber mais tarde.

A verdade: não foi comprovado que o uso de anticoncepcionais tenha efeitos prejudiciais a longo prazo na capacidade de uma mulher conceber. Todavia, uma vez que você interrompe seu método anticoncepcional e está pronta para engravidar, é necessário prestar muita atenção à regularidade de seus ciclos menstruais. 

Durante o uso de métodos contraceptivos é possível que sinais de um distúrbio reprodutivo comum, chamado síndrome dos ovários policísticos (SOP) sejam mascarados. A SOP pode afetar suas chances de engravidar, mas isso não está relacionado ao uso de contraceptivos.

É importante ressaltar que 83,1% das mulheres engravidarão dentro de 12 meses após a interrupção dos contraceptivos orais, mas outros métodos hormonais de controle de natalidade podem atrasar sua fertilidade por mais tempo após a interrupção (mas nenhum a tornará infértil).

Caso seus ciclos não retornem à regularidade em três a quatro meses após a interrupção do uso de contraceptivos, é uma boa ideia você consultar seu médico de confiança.

Mito da fertilidade nº 3: se você tiver uma gravidez bem-sucedida, não terá problemas para engravidar novamente.

A verdade: ter uma gravidez bem-sucedida não garante outra gravidez exitosa. Muitas pessoas e casais têm o que é chamado “infertilidade secundária” ou dificuldade em conceber após uma gravidez saudável.

A infertilidade secundária tem muitas causas potenciais, incluindo mudanças na idade, peso e medicação, danos às trompas de Falópio e outras complicações com o sistema reprodutivo que podem resultar de uma gravidez anterior. 

Como outros casos de infertilidade, técnicas de reprodução assistida como fertilização in vitro (FIV) podem melhorar suas chances de conceber.

Mito da fertilidade nº 4: orgasmos e posições sexuais melhoram suas chances de conceber.


A verdade: o que acontece é que, quando o esperma está na vagina, ele começa a nadar através do muco cervical para entrar no trato reprodutivo da mulher. É necessário compreender que você não está perdendo esperma por estar em determinada posição durante as relações sexuais ou depois delas, assim como você também não está segurando mais esperma em uma posição específica.

Embora alguns estudos tenham mostrado que deitar-se por 15 minutos após a inseminação intrauterina (IIU) aumenta as taxas de gravidez, uma meta-análise de 2017 em todos os estudos publicados sobre este tópico descobriu que deitar após a IIU não fez muita diferença. 

Contudo, é importante ressaltar que os estudos realizados no contexto da IIU não podem necessariamente ser usados ​​para informar nossa compreensão das chances de gravidez sem tratamento — e não houve estudos sistemáticos sobre se a posição após o sexo ou atingir o orgasmo nesses contextos afeta a concepção.

Mito da fertilidade nº 5: conseguir ter filhos aos 45 anos como determinada celebridade é comum.

A verdade: ter filhos aos 45 anos é possível, mas desafiador. A principal questão é que, aos 45 anos, você provavelmente teve um declínio natural relacionado à idade no número de óvulos saudáveis ​​deixados em sua reserva ovariana.

Quando você chega aos 35 anos, suas chances de conceber durante seus dias mais férteis diminuem mais rapidamente ao longo do tempo. Para pessoas na faixa dos 40 anos, a Sociedade Americana de Medicina Reprodutiva diz que a chance média de gravidez é de cerca de 5% a cada ciclo. Mas como seu útero não envelhece como seus óvulos, os tratamentos de fertilidade (usando seus próprios óvulos ou gametas de doadoras) podem melhorar as chances de engravidar.

Caso você esteja se perguntando como sua idade pode se encaixar em seus planos para ter filhos, é importante consultar um profissional da saúde especializado em reprodução humana.

Conclusão Mitos Sobre a Fertilidade

Esperamos que alguns mitos sobre a fertilidade tenham sido bem explicados no decorrer do texto. Este é um assunto complexo, com muitas nuances e muitas vezes delicado.

Caso algum aspecto não tenha sido bem compreendido, entre em contato com a gente. Saiba que a Clínica FGO está sempre à disposição para sanar todas as suas dúvidas.

Você pode se interessar:

Tratamentos que oferecemos

Você enfrenta dificuldades para engravidar, algum problema ginecológico ou precisa de acompanhamento obstétrico? Nós estamos aqui para te ajudar! Conheça mais sobre os tratamentos oferecidos

Leia Mais »

Compartilhe:

WhatsApp
Email
Facebook
LinkedIn
Twitter