Endometriose e Fertilidade: qual seu impacto?

Endometriose e Fertilidade

Neste artigo iremos explicar os detalhes da endometriose e fertilidade e como essa doença pode afetar a vida reprodutiva das pacientes. Vale a leitura!

A Organização Mundial da Saúde (OMS) informa que cerca de 1 em cada 10 pessoas com ovários no mundo tem endometriose. Apesar de ser uma doença muito comum, a desinformação e o diagnóstico tardio ou errado são recorrentes.

Nosso objetivo com este texto é aumentar a conscientização e promover informações clinicamente precisas sobre essa condição que pode causar dores severas e angústias profundas nas pacientes.

O que é endometriose?

A endometriose é uma condição inflamatória dependente de estrogênio, em que o tecido que é semelhante, embora não igual, ao revestimento do útero (também conhecido como endométrio) é descoberto fora do útero. Isso pode acontecer no:

  • Ovários (o mais comum);
  • Trompas de Falópio;
  • Bexiga;
  • Intestino;
  • Intestinos;
  • Cólon;
  • Reto;
  • Apêndice.

A gravidade da endometriose pode ser dividida em quatro estágios diferentes (estágio I, estágio II, estágio II, estágio IV) com base em dois sistemas de pontuação atualmente adotados. Um que é um sistema de pontuação clássico da Sociedade Americana de Medicina Reprodutiva, onde os estágios se correlacionam com a chance de sofrer infertilidade; outro pela American Association of Gynecologic Laparoscopists, que se baseia na verdadeira complexidade do tratamento cirúrgico. Quanto maior a pontuação, maior o número do estágio. 

Esses estágios são uma indicação de gravidade, mas os especialistas não sabem se os estágios são fases realmente diferentes da mesma condição ou se formas leves e graves representam condições completamente diferentes.

O que causa a endometriose?

Existem muitas teorias para a causa da endometriose, mas nenhuma foi totalmente comprovada. Algumas hipóteses, como a menstruação retrógrada (a ideia de que o tecido menstrual pode fluir de volta para as trompas de Falópio e crescer nos órgãos) foram contestadas.

A verdade é que o conhecimento da causa da endometriose, agora, não tem valor clínico para pacientes ou médicos. As teorias realmente não ajudam muito até que algo radical apareça, permitindo que o tratamento mude por completo. Dito isto, há indícios de que o desenvolvimento da endometriose é provavelmente devido à desregulação imunológica.

Como é tratada a endometriose?

O tratamento da endometriose trata os sintomas da doença (medicação e fisioterapia do assoalho pélvico) ou remove a doença (cirurgia).

Tratando os sintomas com medicamentos

Como a endometriose é uma condição dependente de estrogênio, os medicamentos prescritos para controlar os sintomas dolorosos da menstruação contêm hormônios sintéticos.

Se você tem endometriose e está pensando em ter filhos em um futuro próximo, controlar seus sintomas apenas com medicamentos hormonais pode atrasar a cirurgia, o que pode ser um passo mais eficaz para melhorar a fertilidade. Esperar pela cirurgia também pode levar a um agravamento dos danos nas trompas ou nos ovários, tornando a concepção ainda mais desafiadora. A decisão de quando intervir cirurgicamente é, portanto, delicada e muito significativa.

Tratar a doença com cirurgia minimamente invasiva

Quando se trata de cirurgia para endometriose, existe somente uma maneira de fazê-la: as lesões endometrióticas devem ser fisicamente removidos do corpo e nenhum foco da doença deve ser deixado no local. 

As cirurgias abertas do passado, que eram a norma para o quadro de “pelve congelada” da endometriose estágio IV, foram substituídas por cirurgia laparoscópica avançada (minimamente invasiva) e robótica. 

Se você pensa que pode ter endometriose, a recomendação é procurar um médico o mais rápido possível e realizar todos os exames diagnósticos recomendados. Se o teste indicar que você tem endometriose e a cirurgia for aconselhada, é importante procurar um cirurgião especializado no tratamento da doença. Isso se deve à complexidade inerente à cirurgia de endometriose, pois há um conglomerado de órgãos vitais ao redor da endometriose: reto, ureteres, bexiga, etc. 

Um bom cirurgião de endometriose deve ser capaz de negociar seu caminho através desses órgãos para poder operar com conforto absoluto nos espaços retroperitoneais que se encontram além dos limites anatômicos da cavidade abdominal. Trabalhar com um cirurgião especializado em endometriose, ou com uma equipe especializada de cirurgiões, garantirá que as lesões sejam totalmente removidas e limitará a hipótese de precisar de uma cirurgia aberta, mesmo em casos de alta complexidade. A excisão total da endometriose por cirurgia minimamente invasiva é basicamente sempre possível nas mãos certas.

Como a endometriose e fertilidade tem relação?

Em 2012, a Sociedade Americana de Medicina Reprodutiva (ASRM) publicou um parecer do comitê citando que 50% das pacientes com endometriose também sofrem de infertilidade. Este dado tem uma correlação intrigante, pois cerca de 50% das mulheres com infertilidade são acometidas pela endometriose.

Um contexto importante aqui é que muitas pacientes não percebem que têm endometriose por um longo tempo, devido a uma falta geral de conscientização sobre a condição e ao lento desenvolvimento dos sintomas. A endometriose pode afetar negativamente a fertilidade sem dar nenhum outro sinal de sua presença. 

Este cenário clínico de “endometriose silenciosa” é provavelmente mais comum do que se pensa. Especialistas em endocrinologia reprodutiva e infertilidade estão muito cientes dessa possibilidade e mantêm a endometriose em mente, mesmo quando lidam com infertilidade aparentemente “inexplicável” e episódios de aborto espontâneo.

Existem algumas maneiras de entender a conexão entre endometriose e infertilidade e explicaremos melhor os detalhes dessa correlação nos próximos tópicos.

Endometriose e reserva ovariana

O hormônio anti-mulleriano (AMH) é o melhor indicador de laboratório que temos para a reserva ovariana e, em simultâneo, também pode fornecer informações sobre a endometriose. Embora as mulheres com a enfermidade possam ter uma variedade de níveis de AMH, pesquisas apontam para uma associação entre a condição e baixo AMH ou reserva ovariana diminuída. Se o seu AMH for baixo em comparação com outras pessoas da sua idade, provavelmente terá uma contagem de óvulos mais baixa e possivelmente uma janela reprodutiva mais curta (e início mais precoce da menopausa).

A cirurgia de endometriose ovariana (quando o tecido semelhante ao endométrio é descoberto nos ovários ou dentro deles) também pode diminuir a reserva ovariana. Mesmo com os melhores cirurgiões, técnicas cirúrgicas de excelência e a reconstrução do ovário, é inevitável que a paciente sofra alguma perda no ovário toda vez que for submetida a um procedimento para extirpar a endometriose nesse órgão.

É por isso que quem você escolhe como seu médico é especialmente importante, ainda mais quando se trata de preservar sua fertilidade. 

Devido à ligação entre reserva ovariana e endometriose, a criopreservação de óvulos, embriões e tecido ovariano pode ser recomendada. Também é fundamental que o AMH seja testado rotineiramente em todas as pacientes que têm endometriose ovariana ou que estão sendo submetidas a cirurgias de endometriose ovariana.

Endometriose e qualidade dos óvulos

Estudos também mostraram que a endometriose pode ter um impacto na qualidade dos óvulos. Uma revisão sistemática de 2017 dos dados disponíveis descobriu que os óvulos de pessoas com endometriose têm menos probabilidade de amadurecer o suficiente para serem usados ​​com sucesso no tratamento de fertilidade e também podem ter problemas com a morfologia. Como resultado, as pacientes com endometriose podem ter taxas mais baixas de sucesso com a fertilização in vitro (FIV), e aquelas com casos mais leves podem ter taxas mais baixas de fertilização de óvulos bem-sucedida.

Uma possível explicação para os efeitos da endometriose na qualidade do óvulo é a inflamação — que os especialistas não têm certeza se é um fator ou resultado da endometriose. Independente do motivo exato pelo qual isso acontece, a inflamação pode alterar a função do óvulo.

Endometriose e dano tubário

Se a endometriose estiver presente nas trompas de Falópio, isso pode levar à formação de tecido cicatricial ou aderências que obstruem a trompa afetada. Tal circunstância pode dificultar a viagem dos óvulos pelos tubos a caminho de serem fertilizados pelo esperma no trato reprodutivo.

Ainda posso engravidar se tiver endometriose?

Sim! Para 50% das mulheres com endometriose que têm problemas para engravidar, passar por uma cirurgia de preservação de fertilidade com um cirurgião especializado no tratamento da doença provavelmente será o melhor caminho a seguir.

Após a cirurgia, o que acontece a seguir depende das circunstâncias:

Conduta expectante: para pessoas com menos de 35 anos que tiveram endometriose mínima ou leve, a conduta expectante (também conhecida como “espera vigilante”) — ou essencialmente esperar e ver se a pessoa pode engravidar sem tratamento — pode ser uma opção.

Estimulação ovariana controlada com inseminação intrauterina (IIU): pacientes com endometriose mínima ou leve também podem optar pela estimulação ovariana (também conhecido como superovulação) com IIU para aumentar as chances de concepção. Nesses cenários, medicamentos de fertilidade são usados ​​para estimular a maturação do óvulo e, quando for o momento, o especialista em reprodução humana assistida colocará o esperma diretamente no útero antes da ovulação.

Fertilização in vitro (FIV): mulheres com endometriose moderada ou grave podem ter as melhores chances de engravidar por fertilização in vitro — uma técnica de reprodução assistida em que um óvulo previamente recuperado (o mesmo processo que inicia o congelamento do óvulo) é fertilizado em um laboratório e transferido para o útero. Se a qualidade ou a quantidade de óvulos for baixa, os especialistas em fertilidade podem recomendar o uso de óvulos doados.No caso de pacientes com endometriose que queiram ter filhos biológicos, mas apenas no futuro, os especialistas podem aconselhar a preservação da fertilidade atual congelando óvulos, embriões ou tecido ovariano antes da cirurgia.

Lembre-se sempre da importância de conversar com seu médico de confiança sobre suas expectativas de ter filhos e tire todas as dúvidas antes de tomar qualquer decisão.

Você pode se interessar:

Tratamentos que oferecemos

Você enfrenta dificuldades para engravidar, algum problema ginecológico ou precisa de acompanhamento obstétrico? Nós estamos aqui para te ajudar! Conheça mais sobre os tratamentos oferecidos

Leia Mais »

Compartilhe:

WhatsApp
Email
Facebook
LinkedIn
Twitter