Pré-eclâmpsia: quais são seus efeitos para a gestação

Pré-Eclâmpsia

A pré-eclâmpsia é uma condição que afeta até 4,6% das gestantes em todo o mundo. Como é uma condição específica da gravidez, se você não estiver grávida, pode estar familiarizada com o termo sem saber realmente o que significa.

Então, o que é exatamente pré-eclâmpsia? Neste artigo, abordaremos o que você precisa saber sobre a doença, quais sintomas podem acompanhá-la, como é diagnosticada e tratada e o que pode ser feito para reduzir o risco de desenvolver esta condição.

Primeiro, vamos falar sobre gravidez e pressão arterial

Verificar sua pressão arterial será uma parte regular de seus exames pré-natais, e você também pode checá-la em casa se tiver um aparelho medidor.

A pressão arterial é registrada como dois números:

  • O número superior (sistólico) mede a quantidade de pressão que o sangue exerce nas paredes das artérias quando o coração está batendo.
  • O número inferior (diastólico) mede a mesma coisa – mas quando o coração está em repouso.

O Colégio Americano de Obstetras e Ginecologistas (ACOG, na sigla em inglês) recomenda que a pressão arterial durante a gravidez seja inferior a 120/80 mm Hg. A hipertensão durante a gravidez (vamos abordar as especificidades daqui a pouco), que é superior a 140 mm Hg (sistólica) e superior a 90 mm Hg (diastólica), pode levar a vários resultados adversos para a gestante e o feto:

  • Diminuição do fluxo sanguíneo para a placenta, o que pode resultar em menos nutrientes e menos oxigênio chegando ao feto, bem como diminuição do crescimento fetal, menor peso ao nascer e parto prematuro;
  • Descolamento da placenta, uma condição onde a placenta se separa da parede interna do útero antes do parto. Isso pode causar sangramento intenso e colocar em risco a vida da gestante e do feto;
  • Lesão de órgãos importantes, como cérebro, coração, pulmões, rins e fígado.
  • Parto prematuro devido a complicações que podem ser fatais para a gestante e o feto;
  • Se você teve pressão alta ou pré-eclâmpsia na gravidez, corre o risco de doença cardiovascular no futuro.

O que é pré-eclâmpsia

É uma condição (observada apenas na gravidez e no período pós-parto imediato) marcada por pressão alta e danos nos órgãos. Embora seja um problema vascular em sua essência, ela também pode afetar o cérebro, os pulmões, os rins e o fígado.

Se a pré-eclâmpsia não for controlada, a condição pode ter um sério impacto na saúde da gestante e do feto.

Para a gestante: assim como outros distúrbios hipertensivos durante a gravidez, é responsável por 12% das mortes maternas em todo o mundo. Outras complicações incluem eclâmpsia (convulsões de pressão arterial extremamente alta) e uma síndrome chamada HELLP, que significa hemólise, enzimas hepáticas elevadas e baixa contagem de plaquetas. Em média, 15% das gestantes com pré-eclâmpsia grave desenvolvem HELLP, que geralmente é revertida após o parto.

Para o feto: a pré-eclâmpsia pode impedir o transporte adequado de nutrientes para o feto. Por causa disso, não é incomum ver restrição de crescimento intrauterino. Isso ocorre quando o feto cai abaixo do décimo percentil nos gráficos de crescimento devido ao transporte deficiente de nutrientes da placenta para o feto.

Quais são os sintomas da pré-eclâmpsia?

A pré-eclâmpsia pode ser uma condição difícil de diagnosticar porque é multifatorial. Os sintomas de pressão arterial elevada podem fazer com que o médico olhe mais de perto, mas são necessários exames e monitoramento antes que um diagnóstico possa ser feito. 

É por isso que é importante entrar em contato com seu médico o mais rápido possível se você tiver algum dos seguintes sintomas (especialmente na segunda metade da gravidez):

  • Inchaço repentino do rosto ou das mãos;
  • Dor de cabeça que não vai embora;
  • Vendo manchas ou alterações na visão;
  • Dor no abdômen superior-médio ou superior direito;
  • Novas náuseas e vômitos na segunda metade da gravidez;
  • Ganho de peso repentino;
  • Dificuldade ao respirar.

Os sinais de que você pode ter piora da pré-eclâmpsia incluem as seguintes características graves:

  • Um baixo número de plaquetas no sangue;
  • Exames de sangue anormais da função renal ou hepática (creatinina, AST, ALT);
  • Dor na parte superior do abdômen;
  • Mudanças na visão;
  • Líquido nos pulmões causando falta de ar súbita;
  • Dor de cabeça intensa e contínua;
  • Pressão sistólica de 160 mm Hg ou superior ou pressão diastólica de 110 mm Hg ou superior.

É importante comparecer às suas consultas de pré-natal com a frequência que seu médico aconselhar, pois esta é a oportunidade de coletar informações, potencialmente diagnosticar quaisquer problemas e prestar os cuidados necessários. 

Embora as visitas pré-natais possam parecer rápidas, muitas informações podem ser coletadas de sua pressão arterial, urina e diretamente de sua boca. É sempre importante informar ao seu médico de confiança  se você estiver enfrentando algo incomum.

O que causa a pré-eclâmpsia e quais são os fatores de risco?

A comunidade médica não tem certeza de qual a causa exata da pré-eclâmpsia. A principal teoria é que tem algo a ver com a placentação anormal. Provavelmente é como a placenta se desenvolve que está relacionada a alguns fatores genéticos predisponentes.

Existem também alguns fatores de risco a serem observados.

Esses fatores podem colocá-la em alto risco de pré-eclâmpsia:

  • Pré-eclâmpsia em uma gravidez anterior;
  • Gestação múltipla (gêmeos, trigêmeos);
  • Hipertensão crônica;
  • Doença renal;
  • Diabetes;
  • Condições autoimunes (como lúpus).

Os seguintes fatores colocam você em risco moderado de pré-eclâmpsia:

  • Primeira gravidez;
  • Gravidez depois dos 35 anos;
  • Maior percentual de gordura corporal;
  • História familiar conhecida de pré-eclâmpsia parente de primeiro grau (mãe ou irmãs).

Como a pré-eclâmpsia é diagnosticada?

Pré-eclâmpsia é pré-eclâmpsia, certo? Bem, quase isso. Na verdade, essa condição pode se manifestar de duas maneiras distintas, cadaa um com um conjunto ligeiramente diferente de critérios diagnósticos.

Pré-eclâmpsia (anteriormente pré-eclâmpsia leve)

A pré-eclâmpsia é diagnosticada se:

  • A pressão arterial é alta: superior a 140 mm Hg (sistólica) ou 90 mm Hg (diastólica) pelo menos duas vezes, quatro horas ou mais após 20 semanas de gestação.

  • Há proteína na urina (também conhecida como proteinúria): A proteinúria durante a gravidez é muitas vezes indicativa de problemas renais. Isso não é, necessariamente, um fator decisivo para o diagnóstico, mas é algo a ser observado com atenção.


E se você tiver alguns desses marcadores de pré-eclâmpsia, mas não outros? Caso você apresente pressão arterial levemente elevada (> 140/90), é hipertensão gestacional. Agora, se você tem pressão arterial grave (> 160/110) e nenhuma alteração nos exames laboratoriais, você sofre de hipertensão gestacional grave.

Pré-eclâmpsia com características graves

A pré-eclâmpsia com características graves é diagnosticada se:

  • A pressão arterial está muito alta: superior a 160 (sistólica) ou 110 (diastólica) pelo menos duas vezes, com quatro horas de intervalo (a menos que você já esteja em tratamento para pressão alta).
  • Existem condições relacionadas: trombocitopenia, função hepática prejudicada sem outras causas, insuficiência renal, edema pulmonar, uma nova dor de cabeça (que não responde à medicação e não é causada por outros problemas conhecidos) e distúrbios visuais.

Uma vez diagnosticada, como é tratada a pré-eclâmpsia?

O tratamento final para a pré-eclâmpsia é o parto do bebê. No entanto, essa nem sempre é a melhor opção – especialmente se você estiver no início da gravidez. Nesse caso, o manejo da pré-eclâmpsia em vez do parto é a melhor opção.

Se você for diagnosticada com pré-eclâmpsia:

  • Você será monitorado de perto em casa ou no hospital. Se você estiver em casa, espere 1-2 visitas com seu provedor por semana;
  • Seu médico verificará sua pressão arterial, mas você também poderá ser solicitada a fazê-lo em casa;
  • Você pode ser solicitada a acompanhar os movimentos fetais;
  • Se você tiver passado de 37 semanas, seu médico pode induzir o parto (por via vaginal ou por cesariana, se necessário).

Se você for diagnosticada com pré-eclâmpsia com características graves:

  • Você pode ficar no hospital para monitoramento próximo.
  • Se você está com menos de 34 semanas e sua condição é estável, você pode esperar até as 37 semanas de gestação para dar à luz.
  • Se o parto prematuro for necessário, você pode receber uma injeção de esteroides para ajudar na maturidade pulmonar fetal, para que o bebê tenha menos problemas para respirar por conta própria após nascer;
  • Você provavelmente receberá medicamentos para reduzir a pressão arterial e o risco de convulsões;
  • Se você está com mais de 34 semanas e sua condição é estável, seu médico pode induzir o parto;
  • Se sua condição se desestabilizar antes de 34 semanas, seu médico pode induzir o parto.

Depois do parto a gestante estará totalmente segura?

Não exatamente, infelizmente. Existem alguns possíveis efeitos a longo prazo do desenvolvimento de pré-eclâmpsia na gravidez: a taxa de recorrência em gestações subsequentes é de cerca de 14%, e também há um risco aumentado de doença cardiovascular mais tarde na vida. 

Esses riscos variam conforme a gravidade da pré-eclâmpsia. Quanto mais grave, maior a probabilidade de desenvolver doenças cardiovasculares.

A pré-eclâmpsia também pode ser diagnosticada inicialmente após o parto. Isso é conhecido como pré-eclâmpsia pós-parto. 

Embora a comunidade médica não saiba ao certo porque isso acontece, pode ser que a pré-eclâmpsia se desenvolva a qualquer momento nas primeiras seis semanas após o parto. 

Os fatores de risco e os sintomas da pré-eclâmpsia pós-parto são os mesmos que os fatores de risco da pré-eclâmpsia.

Portanto, lembre-se: esteja presente em todas as consultas do pré-natal, tire suas dúvidas e não hesite em procurar ajuda médica ao primeiro sinal de irregularidades com seu corpo.

Você pode se interessar:

Tratamentos que oferecemos

Você enfrenta dificuldades para engravidar, algum problema ginecológico ou precisa de acompanhamento obstétrico? Nós estamos aqui para te ajudar! Conheça mais sobre os tratamentos oferecidos

Leia Mais »

Compartilhe:

WhatsApp
Email
Facebook
LinkedIn
Twitter