Como traumas sexuais afetam a fertilidade

traumas sexuais afetam a fertilidade

Este conteúdo fala sobre como traumas sexuais afetam a fertilidade.

Aviso de conteúdo sensível: este artigo contém tópicos delicados relacionados à violência sexual e traumas. Se você foi impactada pela violência sexual ou sofreu algum trauma de alguma forma, considere ler este artigo com uma pessoa de confiança, faça pausas e pare caso sinta insegurança emocional.

Após um trauma relacionado com violência sexual, pode parecer que nada mais será o mesmo. Uma violação do corpo pode fazer com que as pessoas se sintam perpetuamente inseguras – ou se preocupem com o que aconteceu e se sintam ansiosas com a possibilidade de acontecer novamente. 
Amizades próximas, família e relacionamentos íntimos podem mudar drasticamente como resultado desse tipo de experiência. A maneira como vemos nossos corpos e a capacidade ou desejo de ter intimidade com um parceiro podem mudar. Navegar na fertilidade e tentar conceber pode apresentar desafios únicos para uma pessoa que passou por um trauma sexual.

Como o trauma sexual pode impactar os sobreviventes?

O trauma sexual é como nossos corpos processam e tentam nos proteger de uma experiência sexual ou íntima ameaçadora e indesejada. O resultado do trauma pode envolver dois fatores: o que aconteceu conosco e como nosso corpo percebe e responde ao dano.

Embora o trauma não se manifeste em todos os casos de violência sexual, e certamente não se apresente da mesma maneira para todas as pessoas, é bastante comum que os sobreviventes experimentem efeitos emocionais e físicos duradouros após encontros sexuais não consensuais.

Os efeitos da violência sexual podem incluir:

  • Depressão;
  • Transtorno de estresse pós-traumático (TEPT);
  • Ataques de pânico;
  • Flashbacks;
  • Dissociação;
  • Distúrbios alimentares;
  • Distúrbios do sono;
  • Problemas com o uso de substâncias.

Em nossa sociedade, as mulheres são responsabilizadas pelos encontros sexuais que ocorrem em sua vida, sejam consensuais ou não. Quando a violência sexual acontece, a sobrevivente pode internalizar sua experiência, acreditando ser a culpada ou que poderia ter feito algo para evitar a violência.

É comum também que exista uma expectativa de que as sobreviventes permaneçam em silêncio, pois falar sobre o ocorrido levará a reações potencialmente adversas, como as pessoas minimizarem seu sofrimento, ser ridicularizada ou culpada pelo abuso vivido.

Como traumas sexuais afetam a fertilidade?

Traumas sexuais afetam a fertilidade, onde essas histórias infelizmente aparecem bastante nos aconselhamentos pré-concepcionais. Por ser tão prevalente, é muito importante realizar identificar tais traumas para que o atendimento seja o mais saudável e respeitoso possível.

Embora não haja uma conexão biológica clara entre agressão sexual e fertilidade, com certeza há uma ligação entre a agressão experienciada e intimidade subsequente ou procedimentos médicos necessários para engravidar.

Como a maneira que cada indivíduo processa o trauma sexual é única, essas são apenas algumas das formas que um histórico de violência sexual pode afetar as etapas envolvidas na tentativa de engravidar.

Expectativas em torno da paternidade

As pessoas que sofrem violência sexual podem internalizar expectativas sociais opressivas, o que pode afetar sua crença sobre seu valor como mãe. Afinal, mulheres não só experimentam frequentemente a pressão do que significa ser o tipo ‘certo’ de parceira sexual, mas também de realizar a maternidade de uma forma correta, onde esses traumas sexuais afetam a fertilidade.

Essa pressão para ser a mãe “perfeita” pode ser particularmente complicada quando há dificuldades para conceber – o que pode se manifestar na crença de que ela merece tais provações por causa do trauma sexual que experimentou. 

A forma como nossa sociedade trata os sobreviventes de traumas sexuais também pode contribuir para o luto, a depressão e a ansiedade, o que, por sua vez, pode dificultar o processo de tentar engravidar.

Desconforto com sexo e relacionamentos íntimos

Para sobreviventes de agressão sexual que querem tentar engravidar através do sexo, sentimentos e ansiedades em torno das relações íntimas podem tornar o processo mais desafiador. Alguns dos sintomas mais comuns relacionados ao sexo após a agressão incluem:

  • Aversão ou medo do sexo;
  • Encarar o sexo como uma obrigação;
  • Associação do toque com sentimentos negativos;
  • Dificuldades com excitação, sensações prazerosas ou orgasmo;
  • Dor vaginal;
  • Pensamentos e imagens sexuais intrusivas.

Em alguns casos, as pessoas se dissociam de seus corpos como um mecanismo de enfrentamento ao trauma sexual. Muitos desses efeitos traumáticos podem tornar o sexo – seja para engravidar ou se conectar com um parceiro – assustador, doloroso ou desconfortável. 

Processar experiências passadas com um terapeuta informado pode ajudar as sobreviventes a gerenciar melhor esses sintomas e trabalhar para melhorar o relacionamento com o sexo e a intimidade, pode melhorar as consequências de como os traumas sexuais afetam a fertilidade.

Gatilhos ao realizar consultas ginecológicas ou tratamentos de fertilidade

Para algumas sobreviventes, ir ao consultório médico é uma experiência cheia de pavor e apreensão. É possível que as vítimas de abuso sexual tenham gatilhos acionados em situações em que seu corpo está sendo examinado ou tocado. O que é comum em um consultório médico, especialmente em ginecologia, obstetrícia e especialistas em fertilidade.

Esse medo e apreensão também podem fazer com que as pessoas evitem oportunidades de procurar cuidados de saúde e técnicas de assistência reprodutiva, fator que contribui para a possibilidade de resultados negativos de tratamentos de fertilidade. 

As sobreviventes também podem sentir que precisam se submeter a outra pessoa tomando decisões (às vezes muito rápidas) sobre seus corpos e o processo de parto, o que pode parecer incrivelmente invasivo.

Caso o seu médico não esteja informado sobre o trauma, você pode recorrer a alguém em quem você confie para te ajudar a revelar seu histórico de trauma a ele. Ao informar o profissional de saúde, ele pode usar seu conhecimento para personalizar seu atendimento (o que pode melhorar os resultados para pessoas com histórico de trauma sexual) e validar sua experiência. 

Porém, divulgar informações sobre abuso sexual com um médico para personalizar seu atendimento (ou para qualquer outro objetivo) pode ser difícil por uma infinidade de razões. Por isso que é tão crucial que os profissionais de saúde se informem sobre traumas e aprendam a apoiar pacientes com esse histórico.

Alguns componentes-chave deste cuidado médico podem incluir:

  • Buscar permissão antes de iniciar o contato;
  • Fornecer descrições antes e durante exames e procedimentos;
  • Permitir que as roupas sejam trocadas em vez de removidas;
  • Concordando em interromper o exame a qualquer momento, mediante solicitação.

Você não está sozinha e o suporte está disponível

Sobreviventes podem ter considerações únicas quando se trata de como traumas sexuais afetam a fertilidade. Caso você tenha sofrido algum trauma sexual e também esteja enfrentando interrupções na fertilidade, como ciclos menstruais irregulares ou ausentes, saiba que você não está sozinha.

A conscientização sobre como o traumas sexuais afetam a fertilidade oferece uma oportunidade de buscar apoio e tratamentos especializados. Você não está sozinha e não tem culpa do que aconteceu com você. O apoio ao trauma sexual é fundamental e pode ser uma ferramenta poderosa em sua jornada de tentar conceber.

Você pode se interessar:

Tratamentos que oferecemos

Você enfrenta dificuldades para engravidar, algum problema ginecológico ou precisa de acompanhamento obstétrico? Nós estamos aqui para te ajudar! Conheça mais sobre os tratamentos oferecidos

Leia Mais »

Compartilhe:

WhatsApp
Email
Facebook
LinkedIn
Twitter