Fatores de risco para infecções do trato urinário (ITU)

Abaixo você confere alguns fatores de risco para o infecções do trato urinário e o desenvolvimento desse tipo de infecção.


Histórico de ITU: se você já teve uma ITU antes ou sabe que elas tendem a ocorrer em sua família, é provável que você esteja apresentando episódios de infecção do trato urinário.


Sua escolha de método anticoncepcional: usar um diafragma ou espermicida pode significar infecções do trato urinário mais frequentes.


Percentual de gordura corporal: pessoas com um percentual de gordura corporal mais alto podem ter infecções do trato urinário com mais frequência.


Gravidez: durante a gravidez, o feto em expansão pode dificultar o esvaziamento completo da bexiga e dos intestinos, bem como as alterações nos hormônios podem deixar a gestante mais suscetível às bactérias comumente associadas às infecções do trato urinário: Escherichia coli (E. coli).


Menopausa: mudanças físicas e hormonais durante a menopausa também podem afetar seu trato urinário,  tornando você mais vulnerável a infecções do trato urinário.


Diabetes: se você tem diabetes, corre o risco de desenvolver ITUs recorrentes.


Deficiências físicas: pessoas com lesões na medula espinhal ou condições do sistema nervoso (como esclerose múltipla) também são suscetíveis a ITUs recorrentes.


Uma nota importante sobre infecções do trato urinário durante a gravidez

Se você tiver uma infecção do trato urinário durante a gravidez e ela se espalhar para os rins, tornando-se pielonefrite, a infecção pode entrar na corrente sanguínea. Essa condição recebe o nome de urosepse e representa um risco aumentado de parto prematuro. 

Dito isto, as ITUs na gravidez são muito tratáveis com o uso de antibióticos. Se você sabe que tem ITUs recorrentes e está planejando uma gravidez, converse com seu médico. Caso você esteja grávida e tenha uma ITU, também é primordial entrar em contato com seu médico.

Como as ITUs são diagnosticadas?

Como mencionamos um pouco antes, é esperado que seu médico solicite uma amostra de urina em caso de suspeita de ITU. Atualmente existem três categorias de testes de urina disponíveis para ITUs — dois dos quais são mais simples e rápidos que o outro:

Teste com vareta de urina: um teste rápido realizado com auxílio de uma vareta de plástico com tiras de produtos químicos que mudam de cor na presença de determinadas substâncias.

Urinálise microscópica: a urina é coletada, sua cor e concentração são examinadas e, em seguida, é colocada sob um microscópio para examinar seu conteúdo.


Cultura de urina: A urina é coletada e a amostra é observada quanto ao crescimento bacteriano.

A vareta de urina é um teste muito rápido que ajuda o médico a decidir rapidamente a probabilidade de o paciente estar com ITU. Um exame de urina microscópico, em comparação, procura os mesmos componentes na urina, mas leva mais tempo porque a amostra precisa ser enviada para um laboratório. 

O padrão-ouro do diagnóstico de ITU, no entanto, é uma cultura de urina, pois certas bactérias desenvolveram resistência a alguns antibióticos ao longo dos anos. A cultura ajudará a orientar quais tipos de antibióticos seriam mais eficazes para o tratamento da infecção.

Como você pode tratar ITUs?

Se você já teve uma ITU antes, provavelmente você visitou seu médico para dar uma amostra de urina e obter uma receita de antibióticos — o tratamento usual para uma ITU. Todavia, o tipo de antibiótico que você recebe e quanto tempo você precisa tomá-los depende da categoria da ITU e do tipo de bactéria presente na urina.

Aqui está o que você pode esperar, em termos de tratamento, para diferentes tipos de ITUs:

Cistite: para tratar uma ITU “simples” ou “sem complicações”, seu médico pode prescrever um curso curto de antibióticos e sua infecção deve desaparecer em alguns dias.


Pielonefrite: se você tiver uma ITU “complicada”, os antibióticos também fazem parte do tratamento, possivelmente junto com analgésico e um redutor de febre.


O que acontece se uma ITU não for tratada? Isso pode fazer com que as bactérias se espalhem por todo o corpo, resultando em danos nos rins, sepse ou outros resultados adversos. Se você acredita que tem uma ITU, é importante procurar um médico o mais rápido possível.

Como prevenir as ITUs?

Quando se trata de prevenção de ITU, são abundantes os rumores e equívocos. Mas, na maioria das vezes, estas são as recomendações típicas de prevenção para pessoas com ITUs recorrentes, independente das causas.

Encontre um novo método anticoncepcional: se as ITUs recorrentes forem causadas pelo uso de diafragmas ou espermicidas, você pode conversar com seu médico sobre contraceptivos alternativos.


Estrogênio tópico: se você está sofrendo com ITUs porque está na pós-menopausa, seu médico pode prescrever estrogênio tópico.


Profilaxia antibiótica: se suas ITUs são atribuídas à atividade sexual, você pode receber uma profilaxia antibiótica ou um curso proativo de antibióticos que serão tomados antes ou depois do sexo.


Existem alguns outros métodos alternativos que podem ser úteis para a prevenção da ITU, mas faltam evidências clínicas para comprovação:

Suco de cranberry: a bebida pode ter um pequeno efeito positivo na prevenção da infecção, mas as pesquisas não mostraram benefícios significativos o suficiente para torná-lo uma recomendação clara.


Probióticos: a maioria dos estudos que analisaram os probióticos e a prevenção de ITU não foram muito bem projetados. Todavia, os probióticos orais parecem ser especialmente ineficazes. No entanto, um estudo de 2011 mostrou que os lactobacilos, administrados por uma cápsula vaginal, levaram a um alto nível de colonização de lactobacilos na vagina que foi associado a uma diminuição na incidência de ITUs.
Sais de metenamina e D-manose: a biologia sugere que esses suplementos podem ser úteis, mas as pesquisas ainda não apresentaram resultados concretos. No entanto, se você encontrar benefícios sintomáticos no uso de qualquer um desses suplementos, saiba que eles não são prejudiciais e provavelmente não serão desencorajados por seus médicos.

Você também já deve ter ouvido falar sobre modificações comportamentais que podem ser praticadas no intuito de reduzir o risco de contrair uma infecção do trato urinário. Aqui estão alguns dos pontos mais comuns relatados:

Beber mais água: embora beber água seja sempre uma boa ideia, há apenas evidências mínimas de que pode ser especialmente útil no contexto de ITUs: um pequeno estudo randomizado de 140 mulheres que tiveram pelo menos três ITUs no ano passado e relataram baixo nível de ingestão de líquidos mostrou uma redução nas infecções do trato urinário aumentando a hidratação do corpo em 50%. Porém, esse resultado não foi visto como estatisticamente significativo.

Fazer xixi antes ou depois do sexo: isso nunca foi demonstrado em estudos controlados para reduzir o risco de infecções do trato urinário. Mas, ao mesmo tempo, é uma mudança comportamental inofensiva.

Limpar da frente para trás depois de fazer xixi: outra recomendação que também não teve sua eficiência analisada em estudos controlados, mas não deixa de ser uma medida de prevenção razoável.

Outra dica é evitar duchas e sprays de higiene íntima. Essas práticas não são recomendadas, mas o motivo não é prevenir infecções do trato urinário: a ducha altera o equilíbrio de bactérias boas que vivem em sua vagina, o que pode causar infecções fúngicas ou vaginose bacteriana. Quanto aos sprays ou desodorantes íntimos, eles podem causar irritação na vulva.

Como manter o controle sobre ITUs

Agora que você aprendeu o básico, uma maneira de ficar por dentro das ITUs é se armar com conhecimento. Pergunte ao seu médico e acabe com qualquer dúvida que possa ter sobre ITUs e sempre marque uma consulta caso pense que está com uma infecção do trato urinário.

Você pode se interessar:

Tratamentos que oferecemos

Você enfrenta dificuldades para engravidar, algum problema ginecológico ou precisa de acompanhamento obstétrico? Nós estamos aqui para te ajudar! Conheça mais sobre os tratamentos oferecidos

Leia Mais »

Compartilhe:

WhatsApp
Email
Facebook
LinkedIn
Twitter